Uma homenagem ao mestre Chico Anysio

Hoje perdemos o ícone do humor Brasileiro: Chico Anysio. Com 80 anos, ele foi um marco com todos os seus 209 personagens que criou durante toda sua carreira. Coisa que praticamente não existe mais e que, a partir de hoje, fica com seu último Moicano, o Tom Cavalcante (que tem mais de 100 personagens). Chico, também, foi o pioneiro do Stand-up no Brasil, como mostra este vídeo resgatado dos arquivos da Rede Record, datado de 1969, durante a entrega do prêmio Roquete Pinto:

Lamentavelmente, a genialidade do Mestre foi ofuscada pelo novo humor Brasileiro. Lamentavelmente, a emissora a qual ele era contratado, o pôs para a fatídica “geladeira”, logo assim que encerrou o projeto “Chico Total” em meados de 1995. A partir daí, sua participação na TV foi resumida à participações em novelas, filmes e quadros no Zorra Total e programas especiais como “Chico e amigos“. Acredito que sua doença se agravou, juntamente com sua decepção (sim, ele demonstrava decepção quando tocava no assunto “volta à TV”, como mostra claramente nesta entrevista para o Pânico em 2008), ao ver que ele perdia espaço na emissora para Malhação (que ocupou o horário que era da tão copiada Escolinha do Professor Raimundo), perdia espaço para a própria Zorra Total (no lugar do Chico Total) e outros programas ridículos da grade, no qual ele poderia muito bem ter o seu próprio programa como, por exemplo, a Turma do Didi e o Aventuras do Didi que, ao meu ver, não serve nem para crianças.

Resumindo: o que hoje presta, não é a genialidade e sim o idiota, o ridículo, o babaca. Este vídeo da Parafernalha mostra muito bem isso:

Tenho uma enorme preocupação quando meu filho tiver a minha idade e as coisas continuarem como estão caminhando.

Enfim, que você repouse em paz, Mestre Chico.


Quem é Rogério Lima

veja todos os seus posts

Ex-pagodeiro, Empresário, Gamer, Capixaba e criador desse e de outros ~trocentos~ blogs. Está nessa vida desde 2003, mas não ficou nem rico e nem famoso. Gosta muito de receber brindes, mas é sempre esquecido.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*