UFC 170: Ficou de pé, já era!

Quase perdi a primeira luta da noite. Quase. Ainda consegui ver a metade do segundo e o terceiro round. Tinha esquecido que eventos “numéricos”, diferente dos Fight Nights começam sempre às 21 horas (e não estamos mais no horário enjoativo de Verão). Neste primeiro embate, vi uma luta pegada. Um festival de clinches e que acabou com a vitória de Ernest Chavez por decisão unânime contra Yosdenes Cedeno. Nessa luta eu reparei mesmo foi como as cadeiras ficam vazias nas primeiras lutas. Os “VIPs” chegam mais para o Card Principal. Mas enfim…

A segunda luta teve Rafaello Oliveira, o Trator, encarando Erick Koch. Mas mesmo tentando aplicar chutes altos, Trator não foi páreo para o diretão de esquerda de Koch e seus golpes no ground and pound, fazendo Yves Lavigne declarar nocaute técnico. Mais um Brasileiro indo pra pendura doa contratos. Ê, laiá…

Zach Makovsky e Josh Sampo fizeram uma luta sem muitos destaques. Achei até um pouco maçante. Makovsky saiu vitorioso nesta, por decisão unânime.

A quarta luta foi entre Cody Gibson e Aljamain Sterling e ambos protagonizaram uma luta elétrica e sensacional. A melhor do card preliminar, sem dúvidas. Muita técnica e um terceiro round que definiu a vitória para Sterling, a 7a consecutiva em seu cartel.

Dois Brasileiros se encararam neste evento: Pedro Munhoz contra Raphael Assunção. Achei que o estreante (Munhoz) foi muito bem na luta, mesmo tendo perdido por decisão unânime. Ele entrou sem medo do 3º no ranking e lutou de igual pra igual. Espero ver mais lutas dele no UFC.

E na primeira luta entre mulheres da noite, Jessica Eye tentou, mas em decisão dividida, a luta ficou para a Canadense Alexis Davis. Uma verdade explicita e um resultado justo, pois realmente cada uma ganhou um round distinto. Não teve nem o que discutir.

Vamos então para o Card Principal:

ronda-rouseyA balança mostrou: 2 kg só de ppk. Se não viu a pesagem, veja clicando aqui.

A primeira luta do card foi a de Stephen Thompson contra Robert Whittaker que perdeu o rumo de casa em um belo direto no meio da fuça. Incrivelmente, Mario Yamazaki não parou precocemente a luta e o Karateca Thompson teve tempo pra bater muito em Whittaker. Estamos evoluindo.

Logo em seguida, Mike Pyle e TJ Waldburger protagonizaram uma excelente luta, bem pegada. No final, TJ não resistiu ao arsenal de socos do Pyle, fazendo Herb Dean encerrar a luta com um T.K.O.

A terceira luta do Card Principal teve mais um Brasileiro. E este Brasileiro foi Demian Maia, que é um lutador muito bom no chão. Muito mesmo. Tanto q o primeiro round foi todo dele. Boa técnica, bom Jiu Jitsu. Mas em pé… Ah, essa luta em pé…

Observando isso, Rory MacDonald aproveitou as oportunidades para minar o Brasileiro. E conseguiu. No segundo round, por exemplo, Rory acabou com Demian e deu, junto com o restinho do 3º, a luta para MacDonald. Será que Demian voltará melhor e com mais fôlego para encarar advesários com 10 anos a menos que ele? Vamos aguardar!

Na luta co-principal Daniel Cormier veio mordido para lutar contra Patrick Cummins, depois de um grande disse me disse entre os dois (leia aqui para entender). E foi assim: quem foi mais falastrão, engoliu tanto soco que fez Yamazaki entrar em ação antes que Cummins morresse de tanta porrada. Resposta dentro do ringue é a melhor alternativa sempre.

Já no The Main event of the evening, Ronda Rousey (foto acima) enfrentou Sara McMann e, com uma joelhada na costela acabou a luta com menos de 1 minuto. Foi a primeira vitória de Ronda sem ser com um ArmLock. A joelhada foi até bem aplicada, mas acho que Dean deu uma de Yamasaki, encerrando a luta antes de uma conclusão mais contundente. Mas, como na luta de Barão contra Faber, a posição de submissão foi evidente. Enfim, um papo para rolar durante toda semana.

Até o próximo evento do Ultimate Fight Championship!


Quem é Rogério Lima

veja todos os seus posts

Ex-pagodeiro, Empresário, Gamer, Capixaba e criador desse e de outros ~trocentos~ blogs. Está nessa vida desde 2003, mas não ficou nem rico e nem famoso. Gosta muito de receber brindes, mas é sempre esquecido.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*