[Editorial] “A experiência de quase morte”

Antes de começar a contar o que aconteceu realmente, vamos explicar o que é uma experiência de quase morte. Segundo o Wikipedia, uma “EQM” é:

O termo experiência de quase-morte ou EQM refere-se a um conjunto de visões e sensações frequentemente associadas a situações de morte iminente, sendo as mais divulgadas a projeção astral (também chamada de “projeção da consciência”, “desdobramento espiritual”, “emancipação da alma”, “experiência fora do corpo”, etc), a “sensação de serenidade” e a “experiência do túnel”. Esses fenômenos são normalmente relatados após o indivíduo ter sido pronunciado clinicamente morto ou muito perto da morte, daí a denominação “EQM”.

Calma. Eu ainda não morri (para infelicidade das inimiga) e nem quase morri. Quem quase morreu foi este blog que você está lendo neste momento. Triste, mas verdade.

Bom, vamos à realidade:

Desde o começo do ano que tenho ficado extremamente desanimado com uma série de coisas que está assolando a internet ultimamente. Das maiores, estão: a falta de camaradagem, falta de reciprocidade, aumento do tempo que as pessoas ficam cuidando da vida das outras (no Facebook) e diminuição das visitas. Pelo meu lado, foram: Depressão e crise financeira.

Até aí, digamos que é até normal. Ninguém quer ajudar ninguém mesmo, muito menos um blog do interior do Espírito Santo. Fora que ninguém tem a ver com a vida particular de outrem, mas existem pessoas que se dizem seus amigos que sempre somem nessas horas. Mas a experiência de quase morte do Bobolhando aconteceu quando recebi um e-mail no último dia 5, que dizia (resumidamente):

O valor de seu plano não é mais compatível com o servidor utilizado. Portanto, para continuar utilizando nossos serviços, sua mensalidade terá que se adequar e passará para R$ 320,00 (Trezentos e vinte Reais)”. E eu pago R$ 85 (com uns plus, claro).

Além do susto, fui abatido por um forte desânimo que me fez até twittar sobre a provável morte do blog. Para mim, é inviável pagar, pois o blog não se paga. Não paga nem a mensalidade velha, sempre tenho que inteirar (e muito). Enviei uma contraproposta, coisa que eu deveria receber e não enviar e ela foi acatada (mas ainda não confirmada). E, por este motivo, o blog ainda continua online.

Mas ainda não sei sobre seu futuro. As despesas são maiores que as receitas, o tempo para atualizar é escasso e os assuntos mais ainda (pois eu havia decidido que a linha editorial do blog não seria a “padrão”, mas a “raiz” – veja aqui). O desanimo ainda não passou e o que eu ando vendo por aí, me faz desacreditar ainda mais na humanidade, principalmente aqueles que habitam a internet. Salvo algumas raríssimas (e quase extintas) exceções.

Mas tudo tem seu lado bom: Desde quando reiniciamos, em Junho, reduzimos a taxa de rejeição do blog de quase 80% para menos de 10%. A meta agora é diminuir os novos visitantes e fazê-los retornar. Queremos fidelizar você.

Passado o chororô, continuemos com a nossa programação normal. Ou até o dia que eu me bagunçar nos meus cronogramas novamente.


Quem é Rogério Lima

veja todos os seus posts

Ex-pagodeiro, Empresário, Gamer, Capixaba e criador desse e de outros ~trocentos~ blogs. Está nessa vida desde 2003, mas não ficou nem rico e nem famoso. Gosta muito de receber brindes, mas é sempre esquecido.

1 Comentários/Trackbacks

  1. […] não estou me queixando disso. Inclusive, já chorei o suficiente e hoje não choro mais. Hoje, a minha proposta é […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*